TCC e MONOGRAFIA PRA VOCÊ. (Pagamento após a entrega)

TCC, Monografias, Artigos WhatsApp (15) 98806-0902 Nós fazemos seu TCC e te enviamos junto o endereço do Antiplágio para você conferir, com isso você paga a metade do valor e a outra metade após 30 dias. Contato: WhatsApp 15 98806-0902 ou envie um e-mail para ander11_souza@yahoo.com.br e tire sua dúvida com nossa equipe.

quinta-feira, 12 de maio de 2022

 

DIREITO A SAÚDE A PESSOA COM DEFICIÊNCIA

  

Resumo: No Brasil, esse direito só foi reconhecido na Constituição Federal de 1988. Anteriormente, o estado oferecia assistência médica apenas para trabalhadores registrados e suas famílias, e o acesso a esses serviços para outras pessoas era uma bênção, não um direito. O objetivo deste trabalho é analisar o direito à saúde das pessoas com deficiência. Os métodos de revisão de literatura permitem a inclusão de estudos experimentais e não experimentais, obtendo uma combinação de dados empíricos e teóricos que podem levar à definição conceitual, identificando lacunas no campo de estudo e realizando uma revisão da análise teórica e metodológica de um determinado tema de pesquisa. O direito à saúde faz parte de um conjunto de direitos, denominados direitos sociais, que se inspiram no valor da igualdade entre as pessoas.

 

Palavras-chave: Direito. Saúde. Deficiência.

 

Right to health for persons with disabilities

 

ABSTRACT: In Brazil, this right was only recognized in the Federal Constitution of 1988. Previously, the state offered medical care only to registered workers and their families, and access to these services for others was a blessing, not a right. The objective of the work was to analyze the right to health of people with disabilities. The literature review method allows including experimental and non-experimental research, obtaining a combination of empirical and theoretical data that can lead to the definition of concepts, identification of gaps in the areas of study, review of theories and methodological analysis of studies on a given topic. The right to health is part of a set of rights, called social rights, which are inspired by the value of equality between people.

Keywords: Law. Health. Deficiency.


1 INTRODUÇÃO

 

O direito à saúde faz parte de um conjunto de direitos, denominados direitos sociais, que se inspiram no valor da igualdade entre as pessoas. No Brasil, esse direito só foi reconhecido na Constituição Federal de 1988. Anteriormente, o estado oferecia assistência médica apenas para trabalhadores com carteira assinada e suas famílias, e o acesso a esses serviços para outros era uma benção, não um direito.

Dessa forma, a justificativa foi mostrar a universalidade e a hierarquia apresentadas como diretrizes, a valorização da ação preventiva e outras reivindicações alimentam a esperança de que, em última análise, as necessidades desse grupo motivarão o desenvolvimento e a implementação de ações de saúde do setor público que ampliem e limitem a oferta significativa de cuidados.

O compromisso está no meio, não nos deficientes. As inserções nesses espaços proporcionam uma abordagem temática para inter-relacionar experiência e aprendizagem, processo que suscita uma gama de inquietações e questionamentos sobre o direito à saúde das pessoas com deficiência e as dificuldades e desafios de acessá-la, levando em conta os relatos contínuos dos usuários. A problematização de pesquisa foi saber qual o direito da saúde a pessoa com deficiência?

Assim, este trabalho tem como objetivo geral analisar o conceito do direito à saúde das pessoas com deficiência. Os objetivos especificos foram analisar a história da deficiência no Brasil, descrever a política de saúde no Brasil na época da ditadura militar e discutir os avanços e dificuldades na garantia do direito à saúde das pessoas com deficiência no SUS.

O tipo do estudo é uma revisão de literatura qualitativa, pesquisas do tipo tem o objetivo primordial à exposição dos atributos de determinado fenômeno ou afirmação entre suas variáveis.

 

2 HISTÓRIA DA DEFICIÊNCIA NO BRASIL

 

Durante os tempos coloniais do Brasil, as pessoas com deficiência eram isoladas e socialmente excluídas, mantidas em famílias e levadas para Santas Casas ou presídios em caso de distúrbios públicos. Os doentes de lepra eram mantidos em espaços de isolamento, como o Hospital Lázaros fundado em San Cristovan-Rio de Janeiro em 1741 (COELHO, 2018).

As pessoas com lepra são chamadas de "lepras", "insuportáveis" ou "pervertidas". A doença suscitava temores sobre o aparecimento de pacientes não tratados - lesões ulceradas na pele e deformidades nos membros - que ficavam isolados em hospitais de hanseníase e excluídos do convívio social. A chegada da corte portuguesa ao Brasil e o início do período imperial mudaram essa realidade (COURTINE, 2016).

Essas instituições como internatos são inspiradas nas ideias do Iluminismo e seu principal objetivo é integrar seus alunos à sociedade brasileira, ensinando-lhes literatura, ciência, religião e alguns artesanatos. É importante ressaltar que o atendimento estava concentrado nas capitais do Império e, apesar do pioneirismo, os dois institutos ofereciam um número limitado de vagas em todo o Império (FERNANDES; SHLESENER; MOSQUERA, 2017).

O conceito dessas instituições é baseado na experiência europeia, mas diferentemente de suas congêneres estrangeiras, geralmente consideradas entidades beneficentes ou assistenciais, o Imperial Instituto dos Meninos Cegos e o Imperial Instituto dos Surdos-Mudos constituem uma estrutura administrativa do Império e são alocado na área de ensino público. Portanto, eles são classificados como instituições de ensino. No Brasil do século XIX, a cegueira e a surdez eram os únicos déficits reconhecidos pelo Estado, e havia métodos para superar as dificuldades de ambos os déficits, especialmente na educação e no trabalho (FIGUEIREDO NETO et al., 2014).

Durante a primeira metade do século 20, o estado não pressionou por novas ações contra pessoas com deficiência, mas expandiu as instituições para cegos e surdos para outras cidades de forma moderadamente lenta. Além de não ter a distribuição espacial necessária e atender minorias em todo o país, as iniciativas minoritárias se limitam a cegos e surdos (FRANÇA; PAGLIUCA, 2018).

Diante da falta de ação concreta do Estado, a sociedade civil criou organizações voltadas para o auxílio nas áreas de educação e saúde, como a Sociedade Pestalozzi (1932) e a Associação Especial de Pais e Amigos - APAE (1954). Na década de 1950, o surto de poliomielite levou ao estabelecimento de centros de reabilitação física (GIRONDI; SANTOS, 2017).

Assim, no século XX, as pessoas com deficiência passaram a ser vistas como cidadãos com direitos e obrigações de participação na sociedade, porém, ainda na forma de assistência. Com o advento da Declaração Universal dos Direitos Humanos, começaram as primeiras campanhas organizadas por familiares dessas pessoas. Esses movimentos são guiados pela crítica à discriminação (GUGEL, 2017).

No contexto histórico da industrialização e urbanização do Brasil, processo que se iniciou na década de 1920 e se aprofundou nas décadas de 1940 e 1950, surgiu de novas organizações com deficientes na sociedade civil. Essas novas organizações visam outros tipos de deficiência e diferentes formas de trabalho, pois não se limitam à educação, mas também à saúde (JUNIOR, 2017).

Nesse período, estimulado pelo surto de poliomielite, surgiram os primeiros centros de reabilitação física. Em relação aos leprosos, a prática de isolamento nos hospitais de hanseníase persistiu até a década de 1980. Com o tempo, o hospital de hanseníase tornou-se uma verdadeira cidade, quase autossuficiente, com prefeitura própria, comércio, escola, igreja, delegacia e cemitério (LEÃO; VASCONCELLOS, 2019).

Do Age of Empires à década de 1970, todas as iniciativas fazem parte de uma história de pessoas com deficiência que ainda não têm autonomia para decidir o que fazer de suas vidas. Entre as pessoas com deficiência, no entanto, este é um período de gestação que exige a organização de movimentos de ação afirmativa dispostos a lutar por seus direitos humanos e autonomia, onde a capacidade de determinar suas próprias vidas é particularmente proeminente (MENDES, 2015).

Muitas dessas associações foram criadas para proporcionar aos seus membros acesso a recursos financeiros para sua sobrevivência. Nesse sentido, organizam transferências, por exemplo, para que grupos com deficiência física possam se deslocar a locais de grande movimento para vender doces, frutas e verduras ou outros bens de pequeno valor. A atratividade das compras do consumidor para instituições de caridade é possível (OTHERO; DALMASO, 2019).

Essa dicotomia, discutida mais adiante neste capítulo, permanece um modelo até hoje. A primeira associação de deficientes não tinha sede própria, estatuto ou qualquer outro elemento formal (SANTOS, 2019). Essas iniciativas visam à ajuda mútua e não têm objetivos políticos claros, mas criam um espaço de convivência entre pares onde as dificuldades comuns podem ser identificadas e discutidas. Essa abordagem desencadeou um processo de ação política em prol de seus direitos humanos. O movimento ganhou popularidade no final da década de 1970 e, desde então, as pessoas com deficiência tornaram-se agentes políticos ativos em busca de mudanças sociais (AGUIAR, 2018).

O desejo de se tornar protagonista político inspirou uma mobilização nacional. Essa história foi motivada pelas circunstâncias da época: o regime militar, o processo de redemocratização do Brasil e o Ano Internacional da Pessoa com Deficiência – AIPD, proclamado pelas Nações Unidas em 1981. O eixo principal das novas formas de organização e ação da deficiência que surgiram no final dos anos 1970 e início dos anos 1980 estava politicamente em desacordo com a natureza filantrópica da ação que historicamente visava o público (ALMEIDA; CAMPOS, 2014).

Uma inovação da Constituição de 1988 foi a maior participação pública na formulação, gestão e revisão das políticas públicas. Um dos espaços de participação democrática é o conselho, que deve apresentar uma alocação equitativa entre poder público e sociedade civil. Durante a década de 1990, vários comitês foram formados em três áreas de governo, incluindo o Comitê de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência (AMARAL, 2014).

No entanto, a ideia de se organizar em forma de conselho não é totalmente nova para o movimento. Em 1981, na segunda Conferência Nacional de Física sobre Pessoas com Deficiência, os líderes do movimento decidiram organizar um conselho para cuidar dos deficientes (ALVES, 2019).

Aranha (2017) afirmou que a deficiência é uma condição social caracterizada por diferentes circunstâncias que limitam ou dificultam a participação das pessoas com deficiência no debate social intelectual e na tomada de decisões. Dessa forma, ocorre o processo de desqualificação, pois é considerado um fardo para a sociedade no sistema capitalista, pois não produz nem contribui para o aumento do capital.

Como resultado desse debate, a ideia de normalização começa a perder força. A discussão se ampliou sobre o fato de que as pessoas com deficiência são cidadãos como qualquer outra pessoa e que, independentemente de seu tipo e nível de comprometimento, têm os mesmos direitos de decidir e usufruir de oportunidades na sociedade (BARNES; BARTON; OLIVER, 2017).

Barton e Oliver (2017) discutem os serviços de avaliação e treinamento que as pessoas com deficiência precisam que sejam prestados em suas comunidades; mas também defende que essas não são as únicas medidas necessárias para que a sociedade mantenha relações respeitosas, honestas e justas com esse segmento do eleitorado.

Outro ponto importante é começar a tentar romper com o entendimento do modelo médico hegemônico, onde a deficiência é resultado de lesão física, e para o modelo social, onde a deficiência decorre de arranjos sociais opressores para as pessoas com deficiência, ou seja, para o modelo social, a deficiência não é uma desigualdade natural, mas uma opressão do corpo deficiente. Portanto, a questão da deficiência não deve ser exclusiva do saber biomédico, mas principalmente da ação política e da intervenção estatal (BERNARDES, 2019).

Com a promulgação da Carta na década de 1980, as Nações Unidas buscaram dar continuidade à sua visibilidade no Ano Internacional das Pessoas com Deficiência (AIPD). Especialistas se reuniram na Suécia em agosto de 1987 para revisar a implementação do Programa de Ação Mundial e recomendar uma convenção internacional para eliminar a discriminação contra pessoas com deficiência (BRAVO, 2016).

A Itália e a Suécia lideraram a iniciativa, mas não foram levadas adiante. No entanto, as Nações Unidas desenvolveram um instrumento internacional de natureza diferente: as Normas Uniformes sobre Igualdade de Oportunidades para Pessoas com Deficiência de 1993, que estabelecem os requisitos para alcançar a igualdade de oportunidades (CASTRO et al., 2014).

Nesse sentido, a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência define a participação como parâmetro no desenvolvimento de políticas e ações voltadas para essa população, definindo as pessoas com deficiência como pessoas com deficiência física e intelectual de longa duração". ou percepção, interagindo com diversas barreiras que podem impedi-los de participar plena e efetivamente da sociedade com os outros (COELHO, 2018).

Desde 2003, a CORDE analisa propostas para o texto da Convenção e orienta a atuação diplomática do Brasil junto à ONU, praticamente em tempo real. reunião regional no Equador em 2004 Realizada em substituição à coordenadora Carolina Sanchez e ao presidente da Assembléia Nacional Adilson Ventura. O texto já era denso na época, e os pontos de discórdia eram principalmente entre os países entre os blocos desenvolvidos e os do Sul que queriam conteúdo mais afirmativo (COURTINE, 2016).

A posição do governo brasileiro foi pautada pelo fortalecimento dos direitos humanos, enfatizando a não discriminação e a acessibilidade. Influenciado pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, o Brasil adotou o Decreto nº 1 em setembro de 2007 para acelerar o processo de inclusão social nessa área. e ações integradas do Ministério da Saúde, Educação, Desenvolvimento Social e Erradicação da Fome, Trabalho e Emprego, Cidades, coordenadas pela Secretaria de Direitos Humanos, em parceria com a sociedade civil e o setor privado para garantir o acesso da deficiência aos serviços públicos básicos e uma vida digna vida respeitando os direitos humanos. Em geral, os direitos humanos das pessoas com deficiência precisam ser respeitados para garantir a autonomia dos sujeitos, bem como sua independência e liberdade de escolha (FERNANDES; SHLESENER; MOSQUERA, 2017).

 

2.1 A política de saúde no Brasil: inicio do século até ditatura militar de 1964

 

A década de 1930, com suas características econômicas e políticas, contribuiu para o surgimento de políticas sociais nacionais que tratavam os problemas sociais de forma orgânica e sistemática. As questões sociais gerais já levantadas na década de 1920 e suas manifestações na saúde precisam ser enfrentadas de forma mais complexa. Por conta da nova dinâmica de acumulação, eles precisam se tornar uma questão política, por meio da intervenção do Estado e da criação de novas instituições que de alguma forma levem em conta a classe trabalhadora urbana, que é vista como importante sujeito social no contexto político nacional (FIGUEIREDO NETO et al., 2014).

Sob o controle do capital industrial, a principal característica desse processo é a aceleração da urbanização e a expansão da população trabalhadora, em condições precárias de saneamento, saúde e moradia. O Ministério da Educação e Saúde foi criado em 1930 para coordenar as ações de saúde pública, seguindo o mesmo modelo da higiene esportiva (FRANÇA; PAGLIUCA, 2018).

As medidas adotadas visavam manter a força de trabalho em condições produtivas, aproveitando a assistência médica vinculada à Previdência Social, que, a partir de 1933, transformou os CAPs em instituições de aposentadoria e pensão (IAPs). Essas instituições priorizam a contenção de custos porque a política é acumular capital necessário para investir em outras áreas de interesse do governo (GIRONDI; SANTOS, 2017).

Nesse período, vale destacar que a população de maior poder aquisitivo utilizava os serviços médicos privados como parte da crescente liberalização da medicina, enquanto a maioria da população não vinculada à Previdência Social dependia apenas dos escassos serviços públicos e de caridade (GUGEL, 2017).

No período posterior a 1945, não havia política de assistência social no Brasil, mas havia uma ideologia desenvolvimentista que indicava a relação entre pobreza-doença-subdesenvolvimento e a necessidade de melhorar a saúde da população para alcançar o desenvolvimento, com ênfase na prevenção. doenças infecciosas para toda a população; a assistência médica, por sua vez, é limitada aos contribuintes da Previdência Social e seus dependentes (JUNIOR, 2017).

O direito à saúde plena e irrestrita não tem sido garantido a todo cidadão brasileiro. Leão e Vasconcellos (2019) analisaram os "cuidados de saúde desenvolvimentistas", notadamente Samuel Pessoa, Mário Magalhães e Gentios Melo, respondendo ao movimento e centralização, à fragilidade do governo local e à falta de conhecimento da saúde do país por falta de informações e dados vitais (herdado de NSW) e contribuindo para a compreensão das relações pobreza e doença e sua importância para a sociedade e a transformação política das nações.

Embora heterogêneo internamente, esse "novo saudismo" faz parte de uma corrente nacional-desenvolvimentista e será mais fortemente expresso no processo de radicalização política que marcou o início dos anos 1960. Em julho de 1953, o Ministério da Saúde foi criado independentemente da área de educação, e apenas um terço dos recursos alocados ao antigo Ministério da Educação e ao Ministério da Saúde foram destinados a ele (MENDES, 2015).

Durante 10 anos, o ministério foi liderado por 14 ministros e caracterizou-se pela natureza efêmera de seus titulares devido à intensa barganha política e à prática do apego envolvendo a escolha e seus líderes. No governo de Giusellino Kubitschek, caracterizou-se pela ênfase no desenvolvimento, com uma visão da política social como paliativa (OTHERO; AYRES, 2014).

Nesse contexto, a saúde pública tem obtido parcos resultados, enquanto o IAPS fortalece o modelo médico curativo para os segurados na perspectiva de garantir a produção saudável dos trabalhadores. No entanto, pode-se dizer que a política de saúde no Brasil do início dos anos 2000 até meados de 1964 foi geralmente dividida em dois subsetores, segundo Santos (2019): saúde pública e medicina previdenciária.

O subsetor de saúde pública, que dominou até meados da década de 1960, caracterizou-se pela ação estatal por meio de campanhas de saneamento voltadas para a criação de condições mínimas de saneamento para as populações urbanas e, a rigor, as populações rurais. Subsetor de Medicina da Previdência Social para Ações de Tratamento e Saúde Pessoal (OTHERO; DALMASO, 2019).

De acordo com essa configuração do sistema de saúde brasileiro nos dois subsetores, que permeará os próximos anos, podem ser identificados modelos principais ou hegemônicos que coexistem de forma contraditória ou complementar. A primeira enfoca as necessidades espontâneas, enfatizando o individualismo, a saúde/doença como mercadoria, a biologia, a medicina terapêutica e medicalizada, a participação histórica e passiva na prática médica (AGUIAR, 2018).

A segunda visa atender necessidades que nem sempre se expressam na forma de necessidades, e passar para formas rotineiras de intervenção em saúde pública, por meio de campanhas (vacinação, controle de epidemias etc.), programas (TB, saúde da mulher etc.), Vigilância Sanitária e Epidemiológica. O modelo médico hegemônico se aprofundou na era da ditadura militar, sob a lógica da ajuda fortemente privatizada ao setor saúde, contra a expansão do conceito de saúde, cuidado holístico e compromissos de impacto horizontal. assistência médica. saúde da população (ALMEIDA; CAMPOS, 2014).

Assim, essa visão tende a repensar a ação em saúde contra as pessoas com deficiência, pois o biologismo, a especialização médica e o terapêutico prevalecem no modelo médico hegemônico, contextualizando os processos sociais da doença e, assim, refletindo-se na colocação da deficiência. incorporados ao campo da saúde (AMARAL, 2014).

 

2.3 O período da ditadura militar

 

O golpe militar de 1964 trouxe mudanças para o sistema de saúde brasileiro. Diante dos "problemas sociais" do período 64/74, o Estado interveio usando o binômio repressivo da ajuda, o aparelho estatal ampliou, burocratizou e modernizou as políticas de ajuda para aumentar a regulação social, aliviar as tensões sociais e ganhar legitimidade do poder, e como mecanismo de acumulação de capital (ALVES, 2019).

Nesse período, um sistema de saúde caracterizado pelas vantagens financeiras foi implementado de forma gradual e intensiva. Segundo Aranha (2017), a assistência médica previdenciária é prestada principalmente por meio da própria rede de serviços do IAP, incluindo hospitais, ambulatórios e consultórios médicos. A partir da criação do Instituto Nacional do Seguro Social (INPS), que alegava que sua própria rede de atendimento não poderia prestar assistência médica a todos os beneficiários, preferiu contratar serviços de terceiros. O INPS tornou-se um grande comprador de serviços médicos privados, incentivando um modelo organizacional de prática médica voltado para o lucro (BARNES; BARTON; OLIVER, 2017).

Certificação e Remuneração de Unidades de Atendimento - Os Estados Unidos são um fator de corrupção fora de seu controle: Esses serviços inventam pacientes ou comportamentos que não são realizados, ou executam apenas aqueles comportamentos que recebem mais. Outro modelo que a Previdência Social apoia ao mesmo tempo são os convênios com empresas, assistência médica coletiva. Entre os acordos, a empresa assumiu a assistência à saúde de seus funcionários e deixou de contribuir para o INPS (BARTON; OLIVER, 2017).

Estes serviços são prestados por uma empresa médica contratada (grupo médico) e cada trabalhador recebe uma mensalidade fixa. Dessa forma, quanto menos você participar, maior será o seu lucro. No entanto, os casos mais complexos ou que requerem internações hospitalares mais prolongadas continuam a ser abrangidos pela segurança social (BERNARDES, 2019).

O Ministério da Saúde - MS propôs o Plano Nacional de Saúde em 1968, que era vender todos os hospitais do governo para a iniciativa privada, dando ao Estado o papel de custear serviços privados que também seriam financiados em parte pelos pacientes. O esquema foi testado em alguns lugares, mas encontrou resistência significativa, inclusive das próprias instituições técnicas de seguridade social (BRAVO, 2016).

A política nacional de saúde enfrenta tensões crônicas entre a expansão dos serviços, a disponibilidade de recursos financeiros, os benefícios do Estado e do setor empresarial médico e o surgimento de movimentos de saúde. As reformas nas estruturas organizacionais não conseguiram reverter a ênfase na política de saúde, que se caracteriza pelo predomínio da participação previdenciária e das ações de tratamento direcionadas ao setor privado. No entanto, o Ministério da Saúde restabeleceu as medidas de saúde pública, embora em certa medida acrescente ao paradoxo do sistema nacional de saúde (CASTRO et al., 2014).

Nesse período, o II PND estabeleceu duas grandes áreas institucionais - a área do MS, com ações normativas e administrativas voltadas para medidas e serviços de interesse coletivo, incluindo a vigilância à saúde; e o Ministério da Previdência e Assistência Social - MPAS, cujas atividades se concentraram principalmente em serviços médicos individualizados (COELHO, 2018).

A partir de 1975, os recursos para o MS aumentaram e a previdência social, pelo menos aparentemente, também foi fortalecida à medida que os recursos são unificados e concentrados. Enquanto isso, devido ao alto orçamento do MPAS, formou-se uma aliança entre interesses privados e a burocracia estatal, o que criou as condições para a crescente privatização dos serviços médicos prestados aos trabalhadores da previdência social, tanto que a maior parte dos recursos Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Social - FAS, criado em dezembro de 1974 para a construção e equipamentos de unidades hospitalares privadas (COURTINE, 2016).

Pouco antes da FAS, foi criado o Plano de Ação Rápida - PPA de setembro de 1974, para proporcionar o acesso universal à saúde, principalmente nas emergências. O sistema previdenciário trabalha para custear esse atendimento às redes pública e privada, independentemente do vínculo previdenciário do paciente (FERNANDES; SHLESENER; MOSQUERA, 2017).

Em 1977, criou-se o Sistema Estadual de Previdência e Assistência Social - SINPAS, que Gugel (2017) aponta, tem a lógica de racionalizar e aumentar a eficiência do sistema, mas caracteriza-se pela centralização e exclusão do segurado. É composto por três instituições (INAMPS, de assistência médica; INPS, de assistência social; e IAPAS, de controle financeiro), duas fundações (Legião Brasileira de Assistência - LBA e Fundação Nacional para o Bem-Estar). do Menor - FUNABEM), uma empresa (Dataprev) e um governo autoritário (Central de Medicamentos - CEME).

Nesse período, o MS ficou limitado a um papel secundário, embora dentro dele, uma nova onda de tecnólogos lutasse contra os interesses do setor privado embutidos na seguridade social e tentasse resgatar o MS do papel dominante da política de saúde. O movimento da reforma sanitária brasileira nasceu na segunda metade da década de 1970, em meio a um movimento massivo que atingiu todos os segmentos da sociedade, a luta pelas liberdades democráticas contra as ditaduras (SANTOS, 2019).

Um movimento de saúde é um movimento de profissionais de saúde e associados ao setor que compartilham uma estrutura médico-social na abordagem dos problemas de saúde e buscam transformar o setor por meio de certas práticas políticas, ideológicas e teóricas. Apoiar a melhoria do estado de saúde e atenção à saúde da população brasileira para a cidadania (LEÃO; VASCONCELLOS, 2019).

Entidades icônicas são o Centro Brasileiro de Pesquisas em Saúde – CEBES e a Associação Brasileira de Estudantes de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – ABRASCO, instituídas em 1976 e 1979. O movimento de higiene municipal nasceu na mesma época e nas mesmas circunstâncias. Após essas raízes, grande parte dos marcos históricos da reforma da saúde e do SUS coincidem com aprofundamentos e coalizões de movimentos sociais e legislações (MENDES, 2015).

Em nosso país, fundiu a esfera social mais ampla, a luta pelas liberdades democráticas e o movimento sindical, que estava se re-expressando na época, e depois se juntou ao movimento social que pressionou a Assembleia Nacional Constituinte. No entanto, com os reconhecidos avanços da Comissão Nacional de Reforma Sanitária (1987/1988), da Constituição (1988) e da Lei de Organização da Saúde (1990), no setor saúde, esse escopo social está diminuindo, no sistema de ensino e gestão de aspectos de serviços e entidades da sociedade civil relacionadas à saúde (OTHERO; AYRES, 2014).

Em sua composição original, havia três componentes principais: Movimento Estudantil e Centro Brasileiro de Pesquisas em Saúde – CEBES; mobilidade e renovação médica de residentes; e profissionais da área de ensino e pesquisa da Universidade. Uma delas é a disseminação da teoria médica social. A segunda implica ação política em arenas específicas do mundo do trabalho. A terceira constrói o arcabouço teórico do movimento - o arcabouço ideológico, e dentro do qual se formam os agentes reprodutores e os novos construtores desse arcabouço (AGUIAR, 2018).

Nesse período, Amaral (2014) destaca três grandes programas nacionais ou territoriais desenvolvidos na segunda metade da década de 1970 que incorporaram 27 ideais de reforma sanitária e contribuíram para o acúmulo de experiência nos órgãos federais que administram os serviços de saúde ou os definem. São eles: Plano de Localização de Serviços de Saúde - PLUS8, Projeto Montes Claros - PMC9 e PIASS10. Desde o primeiro Simpósio Nacional de Saneamento da Câmara, em novembro de 1979, até iniciar a “Iniciativa de Saneamento Integral”, em 1982, o Movimento Sanitário foi construindo e ampliando sua organicidade, criando laços e alianças com outros movimentos democratizantes, Estados e configurando sua singularidade.

O tema central da Conferência Nacional de Saúde foi "Escalando as ações de saúde por meio dos serviços essenciais". Seu objetivo é debater o Prevsaúde, originalmente denominado Pró-Saúde, que visa integrar ou pelo menos articular o Ministério da Saúde, Previdência e Assistência Social com base nos serviços essenciais de saúde e participar de sua concepção. Os técnicos estão associados ao movimento de higiene (ALVES, 2019).

Na década de 1980, novos temas sociais engajaram-se nas discussões sobre as condições de vida da população brasileira e as propostas do governo para o setor, contribuindo para um amplo debate que permeou a sociedade civil (ARANHA, 2017).

Entre as figuras que surgiram nesse momento, destacaram-se: os profissionais de saúde representados por suas entidades, que foram além do corporativismo para defender questões mais gerais, como a melhoria dos resultados em saúde e o fortalecimento do setor público; movimentos de saúde, Centro Brasileiro de Estudos em Saúde – CEBES como veículo para difundir e ampliar o debate em torno da saúde e da democracia e desenvolver contrapropostas; partidos de oposição, começando a incorporar o tema em seus planos e debates no Congresso para discutir as políticas do setor; e movimentos sociais urbanos, com outros eventos com entidades da sociedade (BRAVO, 2016).

Nesse período, a “crise previdenciária” tornou-se pública, embora os gastos com saúde tenham diminuído de 1980 a 1986. Em resposta à crise, o governo introduziu o Pacote Previdenciário em novembro de 1981 e, entre outras medidas, criou o Conselho Consultivo de Administração da Previdência Social - CONASP, que deveria propor alternativas racionalizadas para controlar os custos previdenciários com auxílios (COELHO, 2018).

Em agosto de 1982, foi aprovado o Programa de Reposicionamento da Assistência à Saúde com Cobertura Previdenciária ou "Programa CONASP", que envolveu operacionalmente programas, a começar pelo Plano de Ação para a Saúde Integral (PAIS), a universalização da atenção à saúde. sem grande resistência (COURTINE, 2016).

Posteriormente, em 1984, Gugel (2017) discorreu sobre o redimensionamento dos planos na estratégia federal para realinhar a política nacional de saúde segundo os seguintes princípios: responsabilidade do poder público; integração interinstitucional em torno do setor público; proposta de definição de perfis com base epidemiológica; e a valorização das atividades essenciais; priorização e utilização plena da capacidade potencial das redes públicas; descentralização dos processos de planejamento e gestão; planos de cobertura assistencial; desenvolvimento de recursos humanos e reconhecimento do social. todo o processo. Isso significa que o movimento de higiene entrou na direção geral do INAMPS.

Entre 1985 e 1990, o processo de discussão da saúde avançou. A nomeação de um representante do movimento sanitário para um cargo-chave no MS possibilitou a aprovação do AIS como estratégia de reposicionamento departamental e tornou-se política do INAMPS (JUNIOR, 2017).

Para Bravo (2016), um fato básico marcante da discussão da saúde no Brasil ocorreu na elaboração e implementação da Oitava Conferência Nacional de Saúde, realizada no Distrito Federal de Brasília em março de 1986. Os temas centrais são: I Saúde como Direito Inerente à Pessoa e Cidadania, II Reforma do Sistema Nacional de Saúde, III Financiamento Setorial.

Ao contrário de antes, o Oitavo Congresso contou com cerca de 4.500 pessoas, incluindo 1.000 delegados. Inegavelmente, representa um marco ao inserir a sociedade no cenário da discussão da saúde. O debate sai de seu foro específico (ABRASCO, CEBES, medicina preventiva, saúde pública) e entra em outro patamar com a participação de entidades representativas da população: moradores, sindicatos, partidos políticos, associações profissionais, parlamentos (LEÃO; VASCONCELLOS, 2019).

As questões de saúde vão além da análise setorial para incluir a sociedade como um todo, propondo não apenas um sistema unificado, mas também uma reforma sanitária. Após a histórica Oitava Conferência Nacional de Saúde, a Comissão Nacional da Reforma Sanitária, composta por representantes de todos os setores públicos, privados, sociais e partidários envolvidos com a saúde e respaldada por portaria interministerial, desenvolveu a proposta de tornar o SUS debatida e tornou-se a base para discussão e aprovação pela Convenção Constitucional Nacional (MENDES, 2015).

O desenvolvimento foi acompanhado e supervisionado pelo Plenário Nacional de Saúde, um fórum dinâmico de sindicatos, movimentos sociais, entidades da reforma sanitária, parlamentares e outros. Finalmente, o histórico Simpósio Nacional de Políticas de Saúde de 1989 superou a resistência conservadora à introdução e manipulação de leis de saúde orgânica na Convenção Nacional (OTHERO; AYRES, 2014).

Todos esses acontecimentos da década de 1980 só foram possíveis com a mobilização, organização e poder político de uma forte liderança progressista de uma ampla frente política pela liberdade democrática e pela democratização do país, que articulou uma consciência diversa e diversa dos partidos. A era da ideologia republicana (coisas públicas) dos direitos sociais e do papel do Estado (SANTOS, 2019).

Há suficiente conhecimento dos principais interesses e setores contrários à criação do SUS e, aparentemente, das coalizões capazes de superá-los. Como resultado dessa discussão e de outras que se seguiram, em 1987 aprovou-se o estabelecimento do Sistema Único e Descentralizado de Saúde (SUDS), estratégia transitória para a concretização de um sistema único de saúde, sob proposta do Presidente do INAMPS de descentralizar serviços de saúde (AGUIAR , 2018).

A estratégia estabeleceu a transferência de serviços de saúde para estados e municípios; a criação de um único gestor de saúde em cada área de governo, e a transferência de ferramentas de controle sobre o setor privado para um nível descentralizado. Para Bravo (2016), a politização da saúde foi um dos primeiros objetivos a serem implementados, com o objetivo de aprofundar o nível de conscientização em saúde, alcançar a visibilidade necessária para colocar suas demandas nas agendas governamentais e garantir apoio político à saúde.

A oitava sessão é o evento mais importante nesse sentido. Mudanças nas estruturas e práticas institucionais por meio de uma série de medidas destinadas a fortalecer o setor público e o acesso universal aos cuidados; reduzir o papel do setor privado na prestação de serviços de saúde; descentralização política e administração dos processos de tomada de decisão e serviços de políticas de saúde entrega em nível local, que culminou na criação do Sistema Único e Descentralizado de Saúde - SUDS em 1987 e depois do Sistema Único de Saúde - SUS em 1988, o passo mais avançado na reforma administrativa do setor (ALMEIDA; CAMPOS, 2014).

No entanto, essas medidas pouco fizeram para melhorar a saúde da população, pois eram necessárias para colocá-las em prática, mas não aconteceram. Além das limitações estruturais envolvidas nesse processo, a partir de 1988 as forças progressistas que trabalhavam na reforma sanitária começaram a perder espaço na coalizão governante e, portanto, nas instituições (AMARAL, 2014). No final da década de 1980, já existiam algumas dúvidas e incertezas sobre a implementação dos programas de reforma sanitária, notadamente: a fragilidade das medidas de reforma em curso, ineficiências do setor público, tensões com os profissionais de saúde e reestruturação do setor conservador contra a reforma, que lidera o setor desde 1988 (BRAVO, 2016).

 

3 A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E A CRIAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS

 

A Constituição Federal de 1988 trouxe grandes mudanças na política de saúde do Brasil, pois é aqui que a saúde é entendida como um direito de todos e uma obrigação do Estado. Assim, a Constituição de 1988 define a saúde como parte da previdência social (artigo 194), "um conjunto abrangente de ações do poder público e da sociedade para assegurar direitos relacionados à saúde, à previdência e à assistência social" (ARANHA, 2017).

O SUS faz parte de uma operação definida na Constituição como de “relevância pública”, onde o poder público é investido na regulação, fiscalização e controle das operações e serviços de saúde. A Constituição de 1988 também traz diretrizes para a implementação do SUS por meio de uma rede regionalizada e gradativa que segue os princípios de descentralização, integralidade e participação comunitária (BARTON; OLIVER, 2017).

A Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990, prevê medidas como a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e transferências intergovernamentais e recursos financeiros na área da saúde. Também estabeleceu conferências e comitês de saúde em várias áreas do governo. Também trata do repasse regular e automático de recursos ao Fundo Nacional de Saúde do Município, Estado e Distrito Federal (BERNARDES, 2019).

Na década de 1990, enquanto o SUS tentava dar os primeiros passos para sua implementação, passou por um processo de realinhamento do papel do Estado sob a influência das políticas de ajuste neoliberal. Nesse caso, embora o texto constitucional contenha avanços, o grande capital aliado ao bloco governista tem sofrido intenso ataque (CASTRO et al, 2014).

Como resultado, a proposta de política de saúde desenvolvida na década de 1980 foi desconstruída. A saúde está ligada aos mercados, enfatizando a parceria com a sociedade civil, responsabilizando-a por arcar com os custos da crise. Uma de suas manifestações é a refilantropia, que utiliza agentes comunitários e cuidadores para realizar atividades profissionais com o objetivo de reduzir custos (BRAVO, 2016).

No que se refere ao SUS, apesar das declarações oficiais de cumprimento, não foram cumpridos os dispositivos constitucionais e legais, e o governo federal foi negligente na regulação e fiscalização das ações gerais de saúde. Ao mesmo tempo, Coelho (2018) aponta que no Brasil, vários modelos de medicina complementar de interesse na saúde se expandiram, como medicina de grupo, cooperativas médicas e planos de saúde, comprovando que projetos conservadores de arborização contrariam políticas públicas que justificam reforma sanitária.

Portanto, pode-se dizer que uma série de problemas prejudicam a possibilidade de avanço do SUS e da política social, dentre os quais cabe destacar que o princípio da equidade na distribuição dos recursos públicos não é respeitado devido à federação não uniforme, orçamentos estaduais e municipais; afastando-se do princípio holístico de que prevenção e tratamento são indissociáveis (COURTINE, 2016).

Nessa direção, o conceito ampliado de saúde e seu impacto no modelo de atenção do SUS, que de fato garante a integridade, efetividade, qualidade e humanidade dos serviços de saúde, continua sendo um grande desafio. Conforme discutido no capítulo anterior, acompanhado de propostas de modelos alternativos de atenção à saúde, como oferta organizada, regionalização, ações de saúde planejadas, vigilância em saúde, estratégias de saúde domiciliar, hospitalidade e, mais recentemente, linhas de atenção, programas e matrizes de atenção e equipes de referência, ainda coexistem ou complementam modelos médicos hegemônicos e modelos de saúde de formas contraditórias (FERNANDES; SHLESENER; MOSQUERA, 2017).

Esse modelo de atenção, juntamente com as propostas díspares existentes no sistema de saúde brasileiro, se confunde com propostas de reforma ou contrarreforma nacional no setor saúde, resultando em dois projetos que até então coexistiram: Projetos de reforma sanitária, construídos na década de 1980 e consagrados na Constituição brasileira de 1988, enquanto projetos de saúde eram mercantilizados ou privatizados, hegemônicos na segunda metade dos anos 1990 (BRAVO, 2016).

Por mais de duas décadas, o SUS tornou-se a maior política nacional do país, fruto de uma construção coletiva permanente, fruto de um conflito de interesses, que pode-se definir de forma simples, como ator que defende a saúde como lei, Um sistema universal que consiste no compromisso moral e político daqueles que defendem a vida e a saúde como mercadoria (FIGUEIREDO NETO  et al., 2014).

 

3.1 A deficiência no contexto da política de saúde brasileira: os principais marcos legais

 

Na época, entre os modelos alternativos após a década de 1980 foram identificados: Sistemas Locais de Saúde (SILOS), Cidades Saudáveis ​​em Defesa da Vida, Modelo de Vigilância em Saúde, ESF como Modelo de Organização da Atenção Básica. Portanto, o foco deste estudo voltou-se para a questão das deficiências físicas, abordando assim a saúde mental de forma muito superficial, apenas para fornecer uma análise histórica das políticas voltadas à saúde das pessoas com deficiência (FRANÇA; PAGLIUCA, 2018).

A Constituição Federal de 1988 afirma o importante papel do princípio da igualdade no ordenamento jurídico das pessoas com deficiência, e é um deles, que está intimamente relacionado ao conceito jurídico inerente ao Estado de Direito. A sua fundamentação é fundamental, assumindo que todos os cidadãos têm direitos iguais, o que significa que a intervenção do Estado deve ser feita de forma igual para todos (GUGEL, 2017).

Assim, trata-se de igualdade jurídica, que pode ser civil (garante a igualdade de capacidade para que todos gozem de direitos) e real (garante todo o exercício atual dos referidos direitos). De acordo com o disposto na Constituição Federal de 1988, o conteúdo da inclusão social das pessoas com deficiência vai além da igualdade geral de direitos como corolário do princípio da dignidade da pessoa humana, e todos os direitos sociais garantidos pelo artigo 6º da Constituição Federal (JUNIOR, 2017).

Em 1988, por exemplo, o direito à educação, saúde, trabalho, lazer, previdência social e, mais especificamente, o direito à vida familiar, o direito ao transporte e a eliminação das barreiras ao direito à construção. Como resultado, a partir da década de 1960, a politização das questões da deficiência liderada por ativistas e organizações de pessoas com deficiência em todo o mundo levou a uma maior visibilidade e importância do tema para os agentes políticos e a sociedade em geral (LEÃO; VASCONCELLOS, 2019).

Alguns países desenvolveram medidas antidiscriminação para garantir direitos iguais para pessoas com deficiência. Nesse período, a compreensão do que é a deficiência e seu impacto na vida das pessoas também tem sido objeto de reflexão, principalmente das próprias deficiências. Nos tempos modernos, o conceito predominante define a deficiência como o resultado de alguma deficiência física ou mental, presente no corpo ou na mente de uma determinada pessoa (MENDES, 2015).

Portanto, de acordo com essa visão, a deficiência deve ser tratada e corrigida, e a pessoa deve receber algum tipo de intervenção de um profissional para “resolver” o “problema”, adaptando-se assim à forma como a sociedade é construída e organizada. Isso levou à construção de todo um sistema baseado em uma visão assistencial, paternalista e excludente, essencialmente voltada para a correção e dissimulação da deficiência, o que pouco valoriza a autonomia e a dignidade das pessoas com deficiência como sujeitos de direitos (OTHERO; AYRES, 2014).

Então, com a Constituição Federal de 1988, o assunto foi explicitamente incorporado ao arcabouço legal de forma abrangente e horizontal. No Capítulo II da Constituição, que trata dos direitos sociais, o artigo 7.º, XXXI, proíbe qualquer discriminação salarial e de admissão aos trabalhadores com deficiência. O artigo 23, inciso II, estabelece que tratar da saúde pública e da assistência, proteção e salvaguarda dos direitos das pessoas com deficiência é competência comum dos governos federal, estadual, distrital e municipal. O artigo 24.º, XIV, dispõe que a Federação, os Länder e o Distrito Federal têm competência para legislar simultaneamente sobre a protecção das pessoas com deficiência e a integração social. O artigo 37 prevê a reserva de uma certa porcentagem de cargos e empregos públicos para pessoas com deficiência (AGUIAR, 2018).

Em seção dedicada à saúde, o texto constitucional define a saúde como direito de todos e dever do Estado, e garante o acesso universal e igualitário às ações e serviços de promoção, proteção e recuperação da saúde. Nesse sentido, na Constituição Federal de 1988, os direitos fundamentais e fundamentais foram formalizados, mas as medidas previdenciárias foram preservadas (AMARAL, 2014).

Esse viés assistencialista é bastante comum nas políticas públicas brasileiras e ainda persiste em algumas áreas. No entanto, essa visão foi gradativamente substituída por uma maior valorização da autonomia e independência das pessoas com deficiência (ALVES, 2019).

A Lei nº 7.853/89 e o Decreto nº 3.298/99 correspondem aos principais documentos normativos que garantem a cidadania das pessoas com deficiência. Os princípios, diretrizes, objetivos e instrumentos da Política Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência contemplam a ação governamental e as responsabilidades de cada setor, estabelecendo o acesso integral à saúde, educação, qualificação profissional e reabilitação, trabalho, cultura, esporte, turismo e lazer e normas gerais de acessibilidade no espaço físico, transporte, comunicação e informação e assistência técnica (BARNES; BARTON; OLIVER, 2017).

As Leis 10.048 e 10.098 de 2000 estabeleceram regras gerais e normas básicas para promover a acessibilidade de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Essas leis são regulamentadas pelo Decreto nº 5.296/2004, que prioriza o atendimento às pessoas com deficiência, dispõe sobre a implementação da acessibilidade em edifícios e cidades, o uso de meios de transporte, o uso de informações e comunicações, tecnologias assistivas, e o estabelecimento de planos nacionais de acessibilidade e Comitê de Ajuda às tecnologias (BRAVO, 2016).

A portaria do Ministério da Saúde MS/GM nº 1.060, de 5 de junho de 2002, estabeleceu a Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. A política tem como foco a inclusão de pessoas com deficiência em toda a rede de serviços do SUS e se caracteriza pelo reconhecimento da necessidade de implantação de um processo de enfrentamento das complexidades da atenção à saúde das pessoas com deficiência no Brasil (COELHO, 2018).

Seu objetivo geral abre um leque de possibilidades desde a prevenção de doenças até a proteção da saúde por meio da reabilitação: proteger a saúde das pessoas com deficiência, restaurar a capacidade funcional e o desempenho humano das pessoas com deficiência e promover sua inclusão (COURTINE, 2016).

O decreto 7.612/11 institui o Plano Nacional dos Direitos da pessoa com deficiência, – Plano Viver sem Limite, com a finalidade de promover, por meio da integração e articulação de políticas, programas e ações, o exercício pleno e equitativo dos direitos das pessoas com deficiência, nos termos da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, aprovados por meio do Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008, com status de emenda constitucional, e promulgados pelo Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009, que promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007 (FERNANDES; SHLESENER; MOSQUERA, 2017).

Notadamente, este estudo enfrenta um importante marco regulatório para o SUS definido em 2010 e 2011, com foco no Decreto nº 4.279, de dezembro de 2010, que foi instituído para a organização do SUS e da Rede de Atenção à Saúde - RAS no âmbito do Decreto Diretriz 7.508, de junho de 2011, fornece acesso, planejamento e interfaces interfederais para organizações RAS (ALVES, 2019).       

Outro marco normativo importante é a Portaria do Ministério da Saúde nº 793, de 24 de abril de 2012, que institui a Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência, no âmbito do SUS, com a premissa de que: ampliar o acesso e a elegibilidade temporária ou permanente para pessoas com deficiência de assistencial; progressiva, degenerativa ou estável, intermitente ou contínua no SUS; facilita a ligação das pessoas com deficiência auditiva, física, intelectual, estomizada e múltipla e seus familiares ao ponto de atendimento e garante a atenção da rede regional de saúde, por meio do acolhimento e risco para qualificação dos escores de enfermagem (ARANHA, 2017).

Destaque-se ainda o Decreto Presidencial nº 7.612, de 17 de novembro de 2012, que instituiu o Plano Nacional de Direitos da Deficiência - Plano de Vida Ilimitada, dividido em quatro eixos: acesso à educação; assistência à saúde; Integrar e articular políticas, programas e ações com participação social para alcançar a inclusão e acessibilidade social (BARNES; BARTON; OLIVER, 2017).

Novos marcos legislativos e regulatórios são inseridos em diversas políticas públicas na área dos direitos das pessoas com deficiência. Nessa direção, este estudo pretende aprofundar a compreensão da deficiência no contexto da política de saúde, apontar considerações que possam contribuir para o desenvolvimento de ações e políticas que garantam o direito à saúde das pessoas com deficiência (BARTON; OLIVER, 2017).

O interesse pelos temas de saúde que envolvem o direito à saúde das pessoas com deficiência decorreu da inserção de um programa de estágio supervisionado obrigatório e extensão tutorial na clínica cirúrgica do Hospital Universitário de Brasília - HUB - PET sociedade dedicada aos temas da deficiência desde o segundo semestre de 2011 organização de serviços (BERNARDES, 2019).

No HUB, foi feita uma articulação com o trabalho de uma equipe multiprofissional, enfatizando a importância do acolhimento na compreensão da saúde para além de uma doença específica, mas enfatizando a temática - o usuário como um todo. Ao participar dos serviços sociais do PET, as pessoas percebem que não é a pessoa com deficiência que tem que se adaptar à sociedade, mas a sociedade que tem que se adaptar à pessoa com deficiência (BRAVO, 2016).

 

3.1.1 Rede de reabilitação Lucy Montoro

 

Criado por decreto do Estado de São Paulo Decreto nº 52.973 de 2008, sujeito ao Decreto nº 55.739 de 2010 e Conforme alterado pelo Decreto nº 58.050 de 2012, Rede de Reabilitação Lucy Montoro visa fornecer o melhor e mais Reabilitação Avançada Distúrbios físicos, motores e sensório-motores são desabilitados (CER, 2022).

Estabelecido em 2008 como uma filial do Hospital Sírio-Libanês, o instituto é inteiramente dedicado aos pacientes do SUS, com o objetivo de cumprir a missão de acolher migrantes sírio-libaneses no país e reintegrar-se à sociedade brasileira. Até meados de 2021, o Instituto administra três hospitais públicos (Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, Hospital do Grajaú e Hospital Regional de Jundiaí), uma clínica médica especializada (AME Dr. Maria Cristina Cury de Interlagos) e um serviço de reabilitação (Lucy Montoro de Mogi Mirim), que integra as redes municipal e estadual de São Paulo (CER, 2022).

A partir de agosto de 2021, a organização social ampliou seu portfólio de negócios com a incorporação do Serviço de Multiassistência (AMAS) localizado na região de São Paulo/SP Santa Cecília, administrado em parceria com a Umane (antiga Associação Samaritano), primeira unidade de saúde da empresa privada (CER, 2018).

Também foi assinado contrato de gestão com o governo do estado de São Paulo para administrar a Clínica Médica Especializada de Jundiaí (AME Dona Maria Lopes), que entrará em operação em janeiro de 2022 com um total de 7 unidades administradas pelo instituto.

Completando 10 anos sob a gestão do Instituto Sírio-Libanês de Responsabilidade Social, o Serviço de Reabilitação Lucy Montoro em Mogi Mirim recebeu pela segunda vez consecutiva o mais alto credenciamento do CARF - Comissão de Credenciamento de Estabelecimentos de Reabilitação, válido por mais 3 anos, um testemunho da instituição Comprometida com a melhoria da qualidade e segurança dos processos que envolvem a recuperação do paciente de acordo com os padrões internacionais (CER, 2022).

 

Para alcançar novamente essa vantagem, desde sua última acreditação, em dezembro de 2018, o departamento tem investido continuamente na melhoria da experiência do paciente e da equipe, facilitando ajustes em seus processos assistenciais e gerenciais, desde treinamentos de qualificação profissional até ações de conscientização e inclusão para pessoas com deficiência, melhorar a qualidade do atendimento e proporcionar uma melhor qualidade de vida às pessoas com deficiência (PCD).

Dessa forma, Lucy Montoro, consolida seu papel internacional na qualidade do processo de desenvolvimento de programas de reabilitação, reconhecido pelo esforço e dedicação dos profissionais de todas as unidades, sob a direção do Instituto Sírio-Libanês. Os programas de reabilitação incluem assistência a pessoas com deficiência física que atendam aos critérios de elegibilidade e tenham limitações nas atividades básicas e instrumentais da vida diária nas seguintes áreas:

Reabilitação Nível 1:

a)    doenças das articulações musculoesqueléticas;

b)    danos no sistema nervoso periférico.

c)    reabilitação Nível 2:

d)    lesão cerebral adquirida de várias etiologias;

e)    lesão medular de várias etiologias, com paraplegia ou tetraplegia;

f)     amputações de vários graus e etiologias;

g)    mal de Parkinson;

h)    esclerose múltipla;

i)     a síndrome de Guillain-Barré;

j)     síndrome de Down (até 12 anos);

k)    hemofilia;

l)     crianças com paralisia cerebral, mielomeningocele, deformidades congênitas dos membros e retardo neuropsicomotor (CER, 2022). Durante o tratamento, pacientes de grau 1 e 2 com complicações de saúde serão avaliados pela equipe local e transferidos para recursos de emergência na comunidade, se necessário. Caso a equipe julgue necessário, os pacientes podem ser encaminhados a médicos especializados em recursos comunitários para acompanhamento.

 

A alocação de órteses, próteses e dispositivos assistivos de movimento será fornecida apenas aos pacientes em programa de reabilitação e deve ser fornecida no SIGTAP (Sistema de Gestão de Formulários e Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS) (CER, 2022). Para o programa de reabilitação de pacientes internados, os pacientes terão acesso a serviços de diagnóstico por imagem e laboratório e uma farmácia conforme a necessidade do médico assistente.

Conforme exigido por lei, o Instituto mantém uma farmácia no setor de internação. Os serviços de diagnóstico por imagem e laboratoriais necessários durante o programa de reabilitação são prestados aos pacientes de acordo com o tipo de serviço e unidade: serviços próprios, por empresas terceirizadas e/ou por meio do complexo do hospital das Clínicas.

Os resultados estão disponíveis online para os médicos solicitantes dentro de 48 horas (CER, 2022). O relatório de alta contém a utilização de qualquer um desses recursos e os resultados correspondentes. Se for necessário um teste urgente, o paciente será encaminhado para o departamento de emergência da comunidade.

 

4 CONCLUSÃO

 

Esta pesquisa traz uma contribuição significativa para o processo de formação do serviço social, pois ao buscar aprofundar e compreender sobre o direito à saúde das pessoas com deficiência, depara-se com uma realidade inquietante, mas também reveladora, pois diante de tantas desigualdades, o debate sobre o assunto permanece indefinido.

É importante desmistificar a compreensão da deficiência como um corpo estritamente ferido, pois o corpo deficiente ou deficiente deve ser entendido como um termo político e não estritamente biomédico. A deficiência não se limita ao catálogo de doenças e agravos da perícia biomédica do corpo, é um conceito que denuncia as desigualdades impostas pelo ambiente e a relação de barreiras ao corpo.

A clareza desses conceitos na política de saúde torna-se necessária tendo em vista as regras definidas na Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência, instituída pela portaria MS/GM nº 1.060 de 5 de junho, conforme demonstrado no decorrer do trabalho, em 2002, definiu como objetivo geral: proteger a saúde das pessoas com deficiência; ajudar as pessoas com deficiência a restaurar sua capacidade funcional e desempenho humano e facilitar sua integração em todas as áreas da vida social; e prevenir doenças que resultem em déficits de decisão fazer.

Não há dúvida de que a Constituição e os dispositivos constitucionais, embora dispersos, visam proteger os direitos fundamentais das pessoas com deficiência, entendendo o direito de acesso aos serviços médicos como um direito fundamental. Essa posição é respaldada por instrumentos internacionais de proteção aos direitos humanos, como a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos, ratificada pela UNESCO em 2005, e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotada pela Organização das Nações Unidas em 2006.

Essas diretrizes são reforçadas pelo novo marco regulatório referido nesta apresentação de trabalho, com foco na criação de uma rede de atenção à saúde pela Portaria do Presidente da República n.º - RAS e pela Portaria do Ministério da Saúde n.º 70 n.º 793, de 24 de abril , 2012, no SUS estabelece uma rede de atenção à deficiência.

A necessidade de acesso à rede de atenção à saúde com deficiência é compreender o reconhecimento dos direitos que são vitais para o público. Além disso, a rede recomenda maior autonomia para pessoas com deficiência para melhor acesso aos países da rede pública de saúde. A questão aqui levantada é a se todos os requisitos estabelecidos pelo estatuto podem ser atendidos, mas através de pesquisas sabe-se que ainda há um longo caminho a percorrer para a efetivação desses direitos.

Apesar da centralidade da acessibilidade, os conceitos utilizados pelos autores trazem avanços na medida em que a comunicação transcenderá o espaço físico, é também por meio de profissionais capacitados para acolher qualquer necessidade apresentada por qualquer pessoa com deficiência.

Em uma análise da produção científica, constatou-se que, mesmo entre sujeitos diferentes, as condições vivenciadas pelas pessoas com deficiência ao ingressarem no sistema público de saúde foram muito semelhantes, todas buscando autonomia e emancipação democrática, ou seja, não apenas no que diz respeito à mobilidade física, mas à saúde profissionais que preparam receber entrevistas para todas as formas de deficiência, em interações de comunicação que proporcionam acesso à informação, atenção integral e direitos civis.

Estratégias das unidades básicas às unidades de enfermagem especializadas são necessárias para obter um cuidado equânime e integral, pois é preciso considerar seu sofrimento, entendendo que esta é uma experiência pessoal e única, mesmo que possa ser compartilhada com outras pessoas.

Mesmo com um corpo jurídico completo, é notória a dificuldade de implementar verdadeiramente o Decreto 7.612 e exige intervenções socialmente diferenciadas para pessoas com deficiência, que exigem a implementação de ações e estratégias que atendam necessidades universais, não apenas superficiais, que respondam a todas as necessidades das pessoas com deficiência, visa abordar as questões levantadas e garantir que elas merecem tudo.

Portanto, este estudo contribui para uma melhor compreensão dos conceitos que permeiam a deficiência em diferentes momentos históricos, a contextualização da saúde da deficiência no SUS e a análise de resultados científicos para compreender as dificuldades nos grandes estabelecimentos e serviços de saúde. para melhores vínculos para fortalecer a eficácia das redes de saúde que, em última análise, respeitem o direito à saúde das pessoas com deficiência.

Por fim, é muito importante discutir a saúde da pessoa com deficiência no âmbito do serviço social, tema que é fruto de grande expressão política e lutas pela efetivação de direitos. Dessa forma, pode-se concluir que a atuação do assistente social é necessária para expressão, seja em métodos teóricos, políticas éticas, técnicas operacionais, ou ainda mais, deve acontecer independentemente do campo de atuação, mas da perspectiva profissional para direitos viáveis.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

AGUIAR, Zenaide Neto. Sistema Único de Saúde. Antecedentes, percurso, perspectiva e desafios. São Paulo: Martinari, 2018 – pag. 15 -40.

 

ALMEIDA, Marta Carvalho de. CAMPOS, Gastão Wagner Souza. Políticas e Modelos Assistenciais em Saúde e Reabilitação de Pessoas portadoras de Deficiência no Brasil: Análise de proposições desenvolvidas nas ultimas duas décadas. Revista Ter. Ocup. Univ. São Paulo, set/dez, 2014.

 

AMARAL. Lígia A. Pensar a Diferença/Deficiência. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – CORDE, 2014. p.14.

 

ALVES, Simone Bezerra. Acessibilidade de pessoas com deficiência ou restrição permanente de mobilidade ao SUS. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 7, p. 1833-1840, 2019.

 

ARANHA, Maria Salete. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Artigo publicado na Revista do Ministério Público do Trabalho, Ano XI, n. 21 março, 2017, p.160-173.

 

BARNES, C.; BARTON, L.; OLIVER, M. Disability studies today. Cambridge: Polity Press, 2017.

 

BARTON, L.; OLIVER, M. The birth of disability studies. Leeds: The Disability Press. BERNARDES, Liliane Cristina Gonçalves et al. Pessoas com deficiência e políticas de saúde no Brasil: reflexões bioéticas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 14, n. 1, Feb. 2019.

 

BRAVO, Maria Inês Souza. Política de Saúde no Brasil. In. MOTA, Ana Elisabete (et al) Orgs. Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. ABEPSS/OPAS, 2016.

 

CASTRO, Shamyr Sulyvan. LEFÈVRE, Fernando. LEFÈVRE, Ana Maria Cavalcanti. Cesar, CHESTER, Luiz Galvão. Acessibilidade aos serviços de saúde por pessoas com deficiência. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 7, p. 1833-1840, 2014.

 

CER - CENTRO DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO (São Paulo). Reabilitação Auditiva: Sobre a reabilitação auditiva. 2022. Disponível em: <http://www.hcrp.usp.br/cer/informacao.aspx?id=895&ref=21&refV=14 2>. Acesso em: 31 mar. 2022.

 

COELHO, Ivan Batista. Formas de pensar e organizar o sistema de saúde: os modelos assistenciais em saúde. In: CAMPOS, Gastão W. Souza, GUERRERO, André Vinicius Pires (Orgs.). Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. 2 ed. São Paulo: Aderaldo & Rothschild – Hucitec, 2018.

 

COURTINE, Jean-Jacques. O corpo anormal - história e antropologia culturais da deformidade. In: COURTINE, J.-J.; CORBIN, A.; VIGARELLO, G. (Ed.). História do corpo. São Paulo: Vozes, 2016. v. III.

 

FERNANDES, Lorena Barolo. SHLESENER, Anita. MOSQUERA, Carlos. Breve histórico da deficiência e seus paradigmas. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba v. 2, n. 4, p.132 –144, 2017.

 

FIGUEIREDO NETO, Manoel Valente; SILVA, Priscyla Freitas da; ROSA, Lúcia Cristina dos Santos; CUNHA, Carlos Leonardo Figueiredo; SANTOS, Rafael Vitor Silva Gaioso dos. O processo histórico de construção do Sistema Único de Saúde brasileiro e as novas perspectivas. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 76, maio 2014.

 

FRANÇA, Inácia Sátiro Xavier de. PAGLIUCA, Lorita Marlena Freitag. Acessibilidade das Pessoas com deficiência ao SUS: Fragmentos Históricos e Desafios Atuais. Ver. Rene, Fortaleza, Junho/2018.

 

GIRONDI, Juliana Balbinot Reira. SANTOS Silva Maria Azevedo dos. Deficiência Física em idosos e acessibilidade na atenção básica em saúde: revisão integrativa da literatura. Revista Gaúcha Enferm. Porto Alegre, Junho 2017.

 

GUGEL, Maria aparecida Gugel. Pessoas com Deficiência e o Direito ao Trabalho. Florianópolis: Obra Jurídica, 2017.

 

JUNIOR, Mário Cléber Martins Lanna. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil - Brasília: Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2017.

 

LEÃO, Luís Henrique da Costa; VASCONCELLOS, Luiz Carlos Fadel de. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST): Reflexões sobre a estrutura da rede. Epidemol. Serv. Saúde, Brasília, v. 20, n. 1, p. 85 – 100, Jan-Mar, 2019.

 

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.15, n.5, Aug. 2015.

 

OTHERO, Marilia Bense. AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Necessidade de Saúde da pessoa com deficiência: a perspectiva dos sujeitos por meio de histórias de vida. Revista Comunicação Saúde Educação. Março, 2014.

 

OTHERO, Marilia Bense. DALMASO, Ana Silvia Whitaker. Pessoas com deficiência na atenção primária: discurso e prática de profissionais em um centro de saúde-escola. Comunicação Saúde Educação.jan. mar/ 2019.

 

SANTOS, Nelson Rodrigues. A reforma Sanitária e o SUS: Tendências e desafios após 20 anos. Saúde em debate. Revista do centro Brasileiro de estudos da Saúde Rio de Janeiro v.33, nº 81, jan/abril 2019.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Comprar TCC em Assis - Pagamento após a entrega

"TCC e MONOGRAFIA PRA VOCÊ".
A mais de 7 anos no mercado, nossa equipe irá te ajudar a finalizar sua Faculdade com sucesso.

https://go.hotmart.com/N14993824B

Forma de pagamento:
    - Nossa equipe faz o TCC completo e te entregamos, só após a entrega você paga a metade do valor.
    - A outra metade será pago após 30 dias.
    - Nossa equipe faz todas correções necessárias sem custo algum, até a aprovação final.

Envie um e-mail para ander11_souza@yahoo.com.br / WhatsApp15 98806-0902.

Tags: TCC Assis, Monografia Assis, Comprar TCC Assis, Comprar Monografia Assis, TCC pronto Assis, Monografia pronta Assis.

Comprar TCC em Paulínia - Pagamento após a Entrega

"TCC e MONOGRAFIA PRA VOCÊ".
A mais de 7 anos no mercado, nossa equipe irá te ajudar a finalizar sua Faculdade com sucesso.

Forma de pagamento:
    - Eu faço o TCC completo e te entrego, você me paga somente a metade.
    - A outra metade será pago após 30 dias.
    - Fazemos todas correções necessárias.

Entre em contato via WhatsApp (15) 98806-0902 ou envie um e-mail para ander11_souza@yahoo.com.br

Tags: TCC Paulínia, Monografia Paulínia, Comprar TCC Paulínia, Comprar Monografia Paulínia, TCC pronto Paulínia, Monografia pronta Paulínia.

Comprar TCC em Ourinhos - Pagamento após a Entrega

Faço TCC e Monografias para você que não tem ideia de qual será o tema do seu TCC, temos diversos temas pra você escolher.

Forma de pagamento:
    - Eu faço o TCC completo e te entrego, você me paga somente a metade.
    - A outra metade será pago após 30 dias.
    - Fazemos todas correções necessárias.

Envie um e-mail para ander11_souza@yahoo.com.br / WhatsApp15 98806-0902.

Tags: TCC Ourinhos, Monografia Ourinhos, Comprar TCC Ourinhos, Comprar Monografia Ourinhos, TCC pronto Ourinhos, Monografia pronta Ourinhos.

Comprar TCC em Poá - Pagamento após a Entrega

Faço TCC e Monografias para você que não tem ideia de qual será o tema do seu TCC, temos diversos temas pra você escolher.

Forma de pagamento:
    - Eu faço o TCC completo e te entrego, você me paga somente a metade.
    - A outra metade será pago após 30 dias.
    - Fazemos todas correções necessárias.

Envie um e-mail para ander11_souza@yahoo.com.br / WhatsApp15 98806-0902.

Tags: TCC Poá, Monografia Poá, Comprar TCC Poá, Comprar Monografia Poá, TCC pronto Poá, Monografia pronta Poá.